Como falar com a família na escola?

Aconteceu um incidente com um aluno na escola e o professor precisa falar com a família da criança. Como deverá ser essa conversa com os pais? O tema de hoje traz algumas reflexões para os professores sobre como tratar um assunto delicado com a família.

A criança foi mordida

A questão da mordida é um assunto que sempre deixa os professores de cabelo em pé.

Existem várias formas de evitar a mordida, inclusive aqui no Blog tem um texto explicando como fazer o Mapeamento de Mordidas, justamente para entender o porque acontece e como evitar.

Como explicar aos pais que o filho deles foi mordido por outro aluno?

Quando você for conversar com os pais, dois fatores são fundamentais:

  1. Seja sincera, explicando exatamente como aconteceu e como a criança se sentiu, sem mudar o cenário.
  2. Preserve o nome da criança que mordeu, pois, os pais podem ter um ressentimento por essa criança e isso é desnecessário.

É muito importante que você fale com os pais com segurança e demonstre que você tem conhecimento. Mostre aos pais as ferramentas que você utiliza para evitar as mordidas e quanto tempo não ocorria uma mordida na sua sala.

Você precisa explicar aos pais que é uma situação que faz parte do desenvolvimento da criança. Esclareça também qual o protocolo da escola quando ocorre esse tipo de situação e o que você fez com a criança para amenizar, como, por exemplo, usar chá de camomila ou gelo.

É normal que os pais fiquem chateados e não gostem de ver que seu filho foi mordido, mas você como professora não deve se frustrar com isso. Entenda que a chateação dos pais é em relação à situação e não é nada pessoal.

Nesse momento você precisa passar muita confiança aos pais para que eles acreditem que você é competente, que faz tudo o que está dizendo e pode cuidar muito bem do filho deles.

Em relação à criança que mordeu, você deve sim comunicar os pais e tentar trabalhar com a família para saber o porque e como ajudar.

Aqui no Blog Bebê Ativo tem outro artigo com o assunto Mordidas para você se aprofundar mais, clique AQUI.

Quedas e arranhões

A situação em que a criança sofreu uma queda ou um arranhão é mais fácil de entender e ser aceitada pelos pais, porque os pais entendem que não foi outra criança que ocasionou o incidente, mas sim a criança com ela mesma (exceto se foi outra criança que ocasionou).

Assim como a mordida, você também deve explicar aos pais com sinceridade como aconteceu e demonstrar confiança e como você faz para evitar esse tipo de incidente.

Os pais mandam pouca fralda para a escola

A criança é o bem mais precioso para os pais e você, como professora, trata esse bem com muito amor, carinho e preciosidade, sempre avaliando e entendendo a necessidade da criança.

Tem pais que pensam que a fralda é trocada na hora que a escola ou o professor quer, porém você tem que explicar aos pais que é uma necessidade da criança. Uma criança que fica suja, por exemplo, se sente incomodada, fica inquieta, chora. Esclareça isso aos pais e diga a eles que você está lá preocupada com a criança e que você, assim como eles, quer o melhor para ela.

Se for mais fácil, exemplifique quais os problemas podem causar na criança como, por exemplo, deixá-la assada.

O dever do professor é defender os direitos da criança e ajudá-las, então se os pais não estão enviando a quantidade de fraldas necessárias para atender a necessidade dessa criança, eles devem ser informados sobre isso.

Pais que levam o filho doente para a escola

Várias doenças infantis são contagiosas, como, por exemplo, uma Gripe. Se a criança for para a escola com uma doença, ela irá contagiar todas as outras pessoas.

Quem faz o diagnóstico se a criança está doente e qual doença ela tem é o médico, por isso não podemos chegar nos pais e simplesmente dizer que a criança está doente. O que o professor pode fazer é informar aos pais que a criança está com febre, ou está chorando muito, ou está prostrada e não quer brincar.

Quem define se a criança pode ir para a escola ou não também é o médico. No site da SBP — Sociedade Brasileira de Pediatria é possível encontrar diversas orientações que você pode utilizar para passar para a família do aluno.

No caso da criança doente, tem outro fator que é referente a família que trabalha e não tem com quem deixar a criança. Sabemos que principalmente nos dois primeiros anos, as crianças ficam muito gripadas e muitas vezes se torna complicado os pais ficarem faltando do trabalho. Nesse caso, é sempre válido lembrar da Empatia e se colocar no lugar da família.

Em todo caso, deve explicar para a família que quando a criança está doente ela precisa mais de atenção, muitas vezes fica amuada e que estar na escola pode se tornar um sofrimento para ela. O objetivo da conversa da professora com os pais é sempre mostrar a preocupação com a criança.

Como falar aos pais sobre o desfralde

Em relação ao desfralde, esse é um processo da criança e não do adulto. Quem vai determinar quando a criança irá desfraldar é ela mesma. A própria criança irá dar indícios sobre o momento que ela estará preparada para isso acontecer.

O desfralde não é questão nem do professor e nem dos pais, é um processo da criança. Forçar uma criança a desfraldar é uma falta de respeito com o seu desenvolvimento e ainda pode gerar vários problemas no futuro, portanto o professor não tem que determinar que a criança precisa desfraldar e nem falar com os pais nesse sentido.

Birras e Manias

A professora precisa tratar todo tipo de birra com uma maneira muito amorosa e carinhosa.

Se uma criança está fazendo birra, além do que o professor precisa fazer para resolver, ele também precisa explicar aos pais o que a criança está fazendo, porque está fazendo aquilo e como irão fazer para solucionar.

Vou citar como exemplo uma criança que se joga no chão. Você irá falar para a família: “A criança está se jogando no chão, mas esse é um processo super normal, natural da idade. Quando ela não se sente à vontade para fazer uma atividade, ou quando quer um brinquedo que está com o amiguinho… então ela se joga no chão. Apesar do comportamento ser normal para essa fase, eu estou comunicando a vocês.”

Explique aos pais tudo o que você faz quando a criança faz uma birra: dá um abraço na criança; oferece ajuda a criança; se coloca no lugar da criança e diz a ela que entende que ela está chateada, mas que você está lá para ajudar. Quando a criança percebe que você se colocou verdadeiramente no lugar dela, a tendência é ela se acalmar e te ouvir.

Com os pais, primeiro pergunte como a criança é em casa e como a família reage. Em seguida oriente os pais como deve ser feito. O ideal é a professora sempre ter tempo disponível para conversar tranquilamente com os pais.

Em relação à mania, deve ser avaliado que tipo de mania é. Se for algo que não prejudica a criança e seu desenvolvimento e é mais uma questão familiar, a professora tem que respeitar e aceitar, como, por exemplo, crianças que têm um paninho de cheirinho para dormir.

Então no caso de um mau comportamento da criança, esses são os três passos:

  1. O que está acontecendo com a criança;
  2. Como você está reagindo;
  3. Como você espera que a família te ajude.

Alinhar as expectativas com a família

Quero ressaltar que logo na primeira reunião de pais, é necessário que a professora alinhe as expectativas com os pais. Você precisa saber claramente o que os pais esperam de você e da escola. Diga também aos pais o que você espera deles. Seja clara.

Explique aos pais que em casa a criança tem tudo só para ela, seja a atenção dos pais ou seja um brinquedo, e que na escola, a criança terá que aprender a compartilhar.

As crianças estão aprendendo a viver em sociedade, então é inevitável que algum incidente aconteça. O importante é que o professor está lá para observar, ensinar e dar muito carinho!

Se esse artigo te ajudou de alguma forma, escreve aqui embaixo pra mim, eu vou adorar saber!

Beijo

Vivian Mazzeo

4 comentários em “Como falar com a família na escola?”

  1. amei essas dicas, me formei esse ano em pedagogia, irei atuar em sala de aula agora em 2020, tenho dúvidas em fazer relatórios das crianças vocês podem me ajudar quanto a essa questão relatório? Obrigada.

    Responder
  2. Esse seu artigo é excelente, amei as dicas.
    Já trabalho exatamente usando essas táticas, tanto com os pais, quanto com as crianças.
    Agora tenho certeza que estou no caminho certo.
    Obrigada.

    Responder

Deixe um comentário