ADAPTAÇÃO NO BERÇÁRIO

Todo ano as professoras do berçário enfrentam o período de adaptação dos bebês, aliás esse período no berçário não se dá somente em início de ano letivo, ele ocorre o tempo todo de acordo com a entrada de novos bebês.

Mas muito se engana quem acredita que a adaptação seja apenas para os bebês, pais e professoras fazem parte desse processo, também precisam se adaptar à nova realidade, aos novos bebês, aos ciclos que se fecham e aos que iniciam.

A primeira vez que uma criança vai para escola, é um momento cheio de sentimentos e novidades. A reação dos bebês diante da nova realidade não é nada previsível, normalmente os bem pequeninos de até 6 ou 7 meses costumam ficar bem e aceitar o colo das professoras, podem estranhar em algum momento mais delicado como a hora do sono, a partir dos 7 ou 8 meses os bebês costumam estranhar pessoas que não são do seu convívio diário ainda assim alguns entram no berçário e já se interessam pelos brinquedos ou pelas outras crianças, outros podem se agarrar nos pais. É preciso ficar claro que esses comportamentos e reações são absolutamente normais, inclusive a alternância entre eles.

Com certeza o turbilhão de sentimentos não é só das crianças, pais e professores também estão nesse barco.

Por outro lado, é uma etapa bastante importante, um momento único e especial. Carregado também de ansiedade, gerada principalmente pela separação que a adaptação causa.

A palavra de ordem da adaptação é SEGURANÇA.

Pais: É muito importante que os pais estejam seguros dessa decisão, de colocar seu bebê na escola, e da escola que escolheram, pois, o sentimento dos pais é percebido pela criança. Além disso, quem vai passar segurança para o bebê são os pais, por isso eles têm que estar realmente seguros.

Professores: Para termos pais seguros, precisamos de professores preparados para esse processo de adaptação, grande parte da segurança dos pais vem de como os professores falam e se comportam, ou seja, se passam segurança aos pais.

Além disso, é fundamental os professores terem uma conversa antes com os pais ou lerem um relatório elaborado pelos pais sobre a criança. Essa conversa ou relatório deve ser bem especifico no que diz respeito às características e costumes do bebê.

Isso porque cada bebê é único e nesse momento de adaptação, quanto mais próximo do modelo da casa os professores fizerem com cada bebê mais rápida e tranquila será a adaptação.

A professora precisa ainda, proporcionar um ambiente acolhedor, oferecer carinho, atenção individual e muita paciência para superar esse período de tantos desafios.

Ficar bem no berçário e não chorar, envolve vários fatores no qual cada escola, de acordo com suas características, deve repensar e definir.

 

Iniciar com carga horária progressiva

Combine com os pais, se possível, para que o bebê inicie esse processo de forma progressiva, ou seja, no primeiro dia fica uma hora na escola e depois vai aumentando. É importante, quando a mãe for procurar a escola para pegar informações, ela ser avisada de não colocar a criança na escola na sua última semana de licença maternidade para que ela possa acompanhar de forma mais tranquila esse processo de adaptação.

 

Pertences individuais

A escola pode solicitar que os pais enviem algum pertence que a criança gosta e possa se acalmar. Pode ser um paninho, brinquedo ou até uma peça de roupa com o cheiro da mãe.

 

A escola deve permitir a presença dos pais no Berçário durante a adaptação?

É sempre válido cogitar essa possibilidade, se a mãe puder ficar dois ou três dias no berçário para participar dos cuidados com seu filho pode ser mais reconfortante para o bebê e aumentar mais a confiança da mãe nas professoras e berçaristas. Em poucos dias a criança deverá se sentir segura, aceitando o novo ambiente e as pessoas com quem terá um convívio na escola.

Por outro lado, os pais dentro da escola, podem tornar a separação mais difícil por retardar a liberdade da criança e das professoras em ocuparem seus espaços e realizarem trocas afetivas. Além disso a presença dos pais pode constranger as professoras e tirar a oportunidade da criança enfrentar esse momento da maneira dela.

Eu acredito que essa questão é a mais delicada no processo de adaptação, por isso é importante não ficarmos presos a receitas prontas e sim termos conhecimento e visão para analisar individualmente cada escola. Essa análise vai precisar levar em consideração inclusive o número de alunos e o número de professores.

 

Parceria Escola-Família

Essa parceria é fundamental para que haja a construção de laços saudáveis favoráveis a troca de vivências e ao pleno desenvolvimento do bebê, já que eles são o principal sujeito da adaptação.

 

Quanto tempo dura a adaptação no Berçário

O período de adaptação varia de criança para criança, e também conforme a idade, por isso deve ser avaliado individualmente.

Lembrando que a qualidade do acolhimento é que garantirá a qualidade da adaptação.

 

Quais atividades realizar na fase de adaptação?

A fase de adaptação já é, por si só, carregada de novidades e consequentemente experiencias vividas e porque não, aprendizado, para o bebê, portanto, não se preocupe em elaborar um planejamento de atividades muito elaborado, aposte no simples e no contato.

Dedique um tempo individual para cada bebê, faça trocas de caricias, sorriso, atenção e conversa, isso irá favorecer o seu laço com o bebê. E durante esses momentos aproveite para avaliar o desenvolvimento do bebê quais conquistas ele já tem, em que fase ele está. Isso servirá de base para construção do planejamento quando essa fase acabar.

Nas atividades coletivas procure permitir a exploração do espaço principalmente se o bebê já se desloca sozinho, andando ou engatinhando, essa é uma forma dele reconhecer o local e se familiarizar.

Ofereça brinquedos de forma mais livre e observe as atitudes e comportamento de cada bebê.

Outra atividade bacana para essa fase são as músicas, mas, como vocês estão em adaptação é importante o bebê ver as suas expressões e ouvir a sua voz, portanto prefira cantar com os bebês do que colocar música no rádio.

Lembre-se que o principal objetivo é a criança estar bem e feliz, não tem sentido preparar um bocado de atividades se ela ainda não está pronta para participar e interagir.

 

Como será na volta do feriado prolongado? 

Não tem como prever. Mas é sempre provável que alguns chorem e outros não.

Mas nesse momento vale a mesma orientação da adaptação de início de ano, mas a notícia boa é que essa tende a demorar menos.

 

Como acolher as crianças que são matriculadas em diferentes épocas do ano?

É preciso repensar nas questões da adaptação toda vez que entra uma criança nova na sala. Muitas vezes, os professores e demais alunos já estão tão familiarizados com o processo que não dão a real importância para o momento daquela criança que, por algum motivo, entrou depois. Fique atenta a esses casos. Essa criança também precisa ser adaptada com amos e atenção.

E você, tem alguma dica para fase da adaptação que eu não coloquei aqui?

Escreve para mim nos comentários.

Vivian Mazzeo

19 comentários em “ADAPTAÇÃO NO BERÇÁRIO”

  1. Muito boa suas dicas , sou professora no B1 e é exatamente assim, o ano passado foi mais demorado a adaptacao dos bebês, creio que por quê eu estava sem experiência com essa turminha q me apaixono , esse ano foi bem mais tranquilo a adaptação no berçário.

    Responder
  2. Essas dicas foram ótimas. Não havia pensado na questão de cantar as músicas para que as crianças pudessem se familiarizar com o som da voz da professora.
    Muito bom. Obrigada.

    Responder
  3. Estou adorando !!!
    Fiz almoço ouvindo os vídeos
    Não canso de ver
    Que Deus te abençoe grandemente
    Pena que as inscrições forem encerradas bem na hora que eu ia fazer

    Responder
  4. Acho importante elaborar um ficha de peculiaridades dos bebês ,pedindo para os responsáveis preecher,por exemplo como a crianças dorme,sua personalidades entre outros,e essa ficar em sala para verificação. quando necessário ,pois mesmo que conversem com os responsáveis e difícil lembrar de tudo,devido a quantidade de crianças que geralmente e alto.

    Responder
  5. Acho importante elaborar um ficha de peculiaridades dos bebês ,pedindo para os responsáveis preecher,por exemplo como a crianças dorme,sua personalidades entre outros,e essa ficar em sala para verificação. quando necessário ,pois mesmo que conversem com os responsáveis e difícil lembrar de tudo,devido a quantidade de crianças que geralmente e alto.

    Responder

Deixe um comentário